Professores grevistas das redes municipal e estadual de educação do Rio fazem passeata pelo Dia do Professor

15 de outubro de 2013

Educação



Professores grevistas das redes municipal e estadual de educação do Rio fazem passeata pelo Dia do Professor
http://agenciabrasil.ebc.com.br/galeria/2013-10-15/professores-grevistas-das-redes-municipal-e-estadual-de-educacao-do-rio-fazem-passeata-pelo-dia-do-pr
Oct 15th 2013, 22:37

Rio de Janeiro - Passeata de professores grevistas das redes municipal e estadual de educação pelo Dia do Professor desfilou na Avenida Rio Branco. Grupos de mascarados que apoiavam o protesto entraram em confronto com policiais militares na CinelândiaRio de Janeiro - Passeata de professores grevistas das redes municipal e estadual de educação pelo Dia do Professor desfilou na Avenida Rio Branco. Grupos de mascarados que apoiavam o protesto entraram em confronto com policiais militares na CinelândiaRio de Janeiro - Passeata de professores grevistas das redes municipal e estadual de educação pelo Dia do Professor desfilou na Avenida Rio Branco. Grupos de mascarados que apoiavam o protesto entraram em confronto com policiais militares na CinelândiaRio de Janeiro - Fachada do prédio do Consulado dos Estados Unidos atingida por grupos de mascarados que apoiavam o protestoRio de Janeiro - Passeata de professores grevistas das redes municipal e estadual de educação pelo Dia do Professor desfilou na Avenida Rio Branco. Grupos de mascarados que apoiavam o protesto entraram em confronto com policiais militares na CinelândiaRio de Janeiro - Agência bancária depredada por grupo de mascarados que apoiavam o protesto e entraram em confronto com policiais militares na CinelândiaRio de Janeiro - Lanchonete depredada por grupo de mascarados que apoiavam o protesto e entraram em confronto com policiais militares na CinelândiaRio de Janeiro - Passeata de professores grevistas das redes municipal e estadual de educação pelo Dia do Professor desfilou na Avenida Rio Branco. Grupos de mascarados que apoiavam o protesto entraram em confronto com policiais militares na CinelândiaRio de Janeiro - Passeata de professores grevistas das redes municipal e estadual de educação pelo Dia do Professor desfilou na Avenida Rio Branco. Grupos de mascarados que apoiavam o protesto entraram em confronto com policiais militares na CinelândiaRio de Janeiro - Lanchonete depredada por grupo de mascarados que apoiavam o protesto e entraram em confronto com policiais militares na Cinelândia



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX

Professores e estudantes fazem manifestações na Rodoviária do Plano Piloto

Educação



Professores e estudantes fazem manifestações na Rodoviária do Plano Piloto
http://agenciabrasil.ebc.com.br/galeria/2013-10-15/professores-e-estudantes-fazem-manifestacoes-na-rodoviaria-do-plano-piloto
Oct 15th 2013, 20:16

Brasilia - Cerca de cem manifestantes organizaram um protesto na Rodoviária do Plano Piloto, em solidariedade aos professores do Rio do Janeiro, eles saíram em marcha pelo Eixo Monumental, em direção à Torre de TVBrasilia - Cerca de cem manifestantes organizaram um protesto na Rodoviária do Plano Piloto, em solidariedade aos professores do Rio do Janeiro, eles saíram em marcha pelo Eixo Monumental, em direção à Torre de TVBrasilia - Cerca de cem manifestantes organizaram um protesto na Rodoviária do Plano Piloto, em solidariedade aos professores do Rio do Janeiro, eles saíram em marcha pelo Eixo Monumental, em direção à Torre de TVBrasilia - Cerca de cem manifestantes organizaram um protesto na Rodoviária do Plano Piloto, em solidariedade aos professores do Rio do Janeiro, eles saíram em marcha pelo Eixo Monumental, em direção à Torre de TVBrasilia - Cerca de cem manifestantes organizaram um protesto na Rodoviária do Plano Piloto, em solidariedade aos professores do Rio do Janeiro, eles saíram em marcha pelo Eixo Monumental, em direção à Torre de TVBrasilia - Cerca de cem manifestantes organizaram um protesto na Rodoviária do Plano Piloto, em solidariedade aos professores do Rio do Janeiro, eles saíram em marcha pelo Eixo Monumental, em direção à Torre de TV



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX

Estudantes fazem manifestação no Largo da Batata

Educação



Estudantes fazem manifestação no Largo da Batata
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-15/estudantes-fazem-manifestacao-no-largo-da-batata
Oct 15th 2013, 18:20

Bruno Bocchini

Repórter da Agência Brasil
São Paulo – Concentrados no Largo da Batata, no bairro de Pinheiros, em São Paulo, estudantes das três universidades públicas paulistas – Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) - começaram no início da noite de hoje (15), Dia do Professor, um ato em defesa da educação pública no estado.
A polícia não soube precisar o número de manifestantes. Os organizadores do evento estimam a presença de mil pessoas. Aos poucos, os ativistas partem em passeata, pela Avenida Faria Lima, até o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual. Os manifestantes estendem cartazes pedindo a saída do governador Geraldo Alckmin, e em apoio às pautas dos professores municipais do Rio de Janeiro.
"Neste Dia do Professor, a gente veio lutar pela educação pública, principalmente pela democracia nas universidades aqui no estado. Temos de democratizá-las e abri-las para o povo", disse Carina Vitral, presidente da União Estadual dos Estudantes.
"Queremos colocar para o governo do estado um projeto de educação popular que emancipe, que vise o empoderamento dos cidadãos, e não uma educação como tem sido feita agora que, além de sucateada, tem sido uma educação que serve só para reproduzir o sistema e não para emancipar o sujeito", destacou Giuliane Furno, membro do Levante Popular da Juventude.
"A Universidade de São Paulo tem hoje o estatuto mais atrasado, o mais retrógrado de todas as universidades brasileiras. Como o país teve uma constituinte, nós queremos uma estatuinte em que todos votem nos seus representantes", ressaltou Magno de Carvalho, diretor do Sindicato dos Trabalhadores da USP.



Edição: Beto Coura

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX

Estudantes não entram em acordo e mantém ocupação de prédio da reitoria da USP

Educação



Estudantes não entram em acordo e mantém ocupação de prédio da reitoria da USP
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-15/estudantes-nao-entram-em-acordo-e-mantem-ocupacao-de-predio-da-reitoria-da-usp
Oct 15th 2013, 17:47

Flávia Albuquerque

Repórter da Agência Brasil
São Paulo – Estudantes e diretores da Universidade de São Paulo (USP) não chegaram a um acordo quanto as reivindicações dos alunos que ocupam o prédio da administração da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP Leste, na capital paulista. A reunião durou toda a manhã e, segundo Maria Salete Perrone, representante dos estudantes, ficou decidido um novo encontro para esta quarta-feira (16).
Os alunos reivindicam eleições diretas para reitor, votação paritária entre as três categorias (alunos, funcionários e professores) e fim da lista tríplice, que confere ao governador a escolha do reitor entre os três nomes mais votados. Os estudantes ocupam o prédio desde o dia 1º deste mês e a Justiça já determinou a reintegração de posse do prédio.
Em nota divulgada há pouco pela assessoria de imprensa, a Each USP Leste confirmou a reunião de amanhã, quando pretende discutir as reivindicações dos alunos. "As propostas discutidas serão apresentadas à congregação, órgão consultivo e deliberativo superior da escola, que se reunirá, em sessão extraordinária, logo após a reunião com o comando da greve", diz a nota.
Com relação à questão da contaminação do solo do campus da Unidade Leste da universidade, que concentra gás metano proveniente do desassoreamento do Rio Tietê, a representante dos alunos disse que o assunto não foi tratado na reunião, mas deve ser tema nos próximos encontros. A contaminação foi o estopim para a greve e a ocupação do prédio da reitoria, no dia 1º, já que os alunos pediam providências em relação ao problema.
No dia 10 de outubro, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) deu à USP Leste um prazo de dez dias para readequar seu plano de ação, que foi entregue ao órgão no dia 2, após a universidade ter recebido um auto de infração que apontava descumprimento de 11 exigências no campus, entre as quais a implantação de um sistema de extração de gases do subsolo.

Edição: Aécio Amado
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX

Estudantes ocupam o prédio da administração da USP Leste

Educação



Estudantes ocupam o prédio da administração da USP Leste
http://agenciabrasil.ebc.com.br/galeria/2013-10-15/estudantes-ocupam-predio-da-administracao-da-usp-leste
Oct 15th 2013, 11:59





You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX

Professora em núcleo rural, Elieth desenvolve material didático adaptado

Educação



Professora em núcleo rural, Elieth desenvolve material didático adaptado
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-15/professora-em-nucleo-rural-elieth-desenvolve-material-didatico-adaptado
Oct 15th 2013, 07:09

Yara Aquino

Repórter da Agência Brasil
Brasília – No quadro-negro da sala de aula da professora Elieth Portilho estão fotos de pássaros e frutas do Cerrado. As cartilhas falam de temas rurais e práticas do campo e foram elaboradas pela professora e os alunos. É com esse material que ela alfabetiza as crianças no Centro de Ensino Fundamental Pipiripau 2, localizada em um núcleo rural em Brasília.
Neta e filha de professoras de educação no campo, Elieth Portilho não teve dúvidas em seguir a mesma profissão. Apesar da certeza, ao longo da carreira foi questionada sobre a opção. Fazer um mestrado e estudar tanto para dar aula no campo?, foi a pergunta que ela ouviu algumas vezes. Mesmo com as indagações, o ânimo da professora só aumentou.
"São problemas diferenciados dos da zona urbana. Aqui há questões culturais, sociais, ambientais diferentes. Então, é preciso um estudo muito grande e comecei mergulhar e a buscar por que essa inquietação não tem fim. Comecei a estudar o material, a pesquisar, buscar pessoas que escrevem sobre o Cerrado, fui aos assentamentos visitar as famílias e conhecer a realidade deles", contou.
Essa "inquietação" por falar a mesma língua dos alunos e conquistar o interesse deles para o estudo fez a professora desenvolver o material didático adaptado. "Como trabalhar tão apegada ao livro didático com uma realidade tão complexa?", perguntava. Parte dos 15 alunos da professora Eliete mora em assentamentos e as famílias vivem da agricultura. Entraram em cena, então, visitas de campo com os alunos para conhecer de perto aquilo que se estuda em sala de aula. Para a leitura, poesias com nomes de pássaros e plantas do Cerrado e receitas com frutas que nascem no quintal de casa.
"O que sinto é que meus alunos conseguiram compreender muito mais quando larguei um pouco o livro didático e passei a ir para o campo. Eles têm mais entusiasmo, mais alegria", conta.
Além das indagações sobre a escolha de ensinar no meio rural, a professora Elieth também enfrentou críticas ao método de ensino que adota. Há quem considere que ela está preparando os alunos para continuar no campo quando deveria formá-los para viver na cidade. "Alguns dizem que é uma perpetuação da pobreza, que a pessoa tem que ir para a cidade. Mas e se ela quiser continuar no campo? Se meu aluno aprender a ler e interpretar dentro desse contexto, em qualquer lugar ele vai ter sucesso", conclui.
Ela lembra que está previsto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação a possibilidade de fazer ajustes ao material de ensino para atender à realidade social e cultural do meio onde o professor atua.
Além dos desafios de didática, a professora conta que a educação no meio rural enfrenta outras dificuldades e uma delas é o deslocamento. Durante um tempo, os estudantes iam para a aula de carroça e a pé, enfrentando chuva e sol, e já chegavam à escola cansados e suados, o que dificultava o aprendizado. Após um período de reivindicações, eles passaram a ter ônibus escolar para o deslocamento, acrescenta Elieth.
Em mais de 20 anos de magistério, a professora chegou a atuar em escola da área urbana, mas percebeu que seu caminho estava mesmo no campo. "As pessoas têm um preconceito: você vai fazer mestrado para continuar em uma escolinha do campo?, perguntam Aí é que temos que estudar para recuperar essa perda histórica de exclusão da escola do campo, que sempre foi relegada", defende.
Edição: Graça Adjuto
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX

Dia do professor

Educação



Dia do professor
http://agenciabrasil.ebc.com.br/galeria/2013-10-15/dia-do-professor
Oct 15th 2013, 07:28





You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX

Principal preocupação é preparar adolescente para reinserção social, conta professor de unidade de internação

Educação



Principal preocupação é preparar adolescente para reinserção social, conta professor de unidade de internação
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-15/principal-preocupacao-e-preparar-adolescente-para-reinsercao-social-conta-professor-de-unidade-de-int
Oct 15th 2013, 07:31

Yara Aquino

Repórter da Agência Brasil
Brasília - Policiais na porta da sala de aula, portões trancados e muros altos. Esse é cenário das aulas de português do professor Alan Araújo da Silva aos adolescentes que cumprem medida socioeducativa na Unidade de Internação de Planaltina. O professor Alan é um dos 5.036 educadores que dão aulas a pessoas privadas de liberdade em todo o país, conforme determinação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação.
O professor Alan se interessou pelo trabalho com adolescentes em situação de risco ao lecionar em escolas da periferia. Em 2009, recebeu o convite para ensinar português na unidade de internação. As diferenças foram logo sentidas e o professor percebeu que teria que fazer adaptações pedagógicas para adequar os conteúdos à realidade dos internos.
"Lá fora você está preocupado em formar o cidadão para o mercado de trabalho, para ele ingressar na universidade. Aqui isso vai ser a longo prazo, a curto e médio prazo você está preparando esse cidadão para ele se reinserir na sociedade, não reincidir em ato infracional", conta.
Com muitos alunos com histórico de abandono escolar, o professor busca alternativas para despertar o interesse dos jovens. Usa, por exemplo, letras de funk e clipes para analisar o português. "A posição de professor dentro da sala de aula aqui é diferente de lá porque os assuntos, a metodologia têm que estar adequados à realidade daqueles alunos, à linguagem deles", disse. Os temas sociais são frequentes. "Na sala de aula é preciso desconstruir a intolerância, trabalhamos questões como a homofobia, a violência contra a mulher, doenças sexualmente transmissíveis", explica.
O envolvimento com os dramas e questionamentos dos alunos é inevitável, segundo ele. E não é raro encontrar na unidade de internação alunos para quem o professor deu aula em escolas regulares.
Na unidade de internação a atenção à segurança é maior e é preciso estar preparado para eventualidades, conta o professor. Segundo ele, nas escolas regulares é menos frequente a evolução de pequenos conflitos para atos de violência. "Aqui há meninos com problemas de relacionamentos, conflitos uns com os outros. A segurança faz essa triagem antes de distribuí-los na sala de aula", explica. "Aqui todo dia é algo novo, você não sabe o que está acontecendo dentro do módulo onde eles vivem, os conflitos que são gerados lá", acrescenta.
À medida que aumenta a escolaridade dos alunos, cresce neles também o interesse pelo estudo, o que, segundo o professor, indica a importância do ensino para os jovens que cumprem medidas socioeducativas. A rotatividade dos estudantes que saem ao terminar de cumprir a medida socioeducativa, ou por problemas na unidade, no entanto, é um ponto que causa frustração.
"Você está fazendo um trabalho e vê que vai colher frutos e muitas vezes ele [o adolescente] é transferido, aí desconstrói todo o trabalho feito. Às vezes se está no meio do processo e ele consegue liberação e vai para rua e, lá fora, sem o acompanhamento correto, deixa a escola de novo. Você nunca pode fazer planos a longo prazo", relata.
Segundo o educador, uma das dificuldades no trabalho é que ações simples de serem postas em prática em outras escolas demoram a fazer parte da realidade das unidades de internação devido à burocracia que é maior. Outro ponto é a dificuldade de acesso aos pais dos internos.
De acordo com dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), referentes a 2012, há 5.036 professores que atuam em prisões e unidades de internação nas redes municipal, estadual e privadas de todo o país. No Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do ano passado, 75% das pessoas privadas de liberdade se inscreveram para obter a certificação do ensino médio.
Edição: Talita Cavalcante
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX

Dificuldades na escola levam aluna surda a seguir magistério para facilitar aprendizado

Educação



Dificuldades na escola levam aluna surda a seguir magistério para facilitar aprendizado
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-15/dificuldades-na-escola-levam-aluna-surda-seguir-magisterio-para-facilitar-aprendizado
Oct 15th 2013, 07:32

Yara Aquino

Repórter da Agência Brasil
Brasília - As dificuldades que enfrentou na escola por ser surda despertaram o interesse de Adriana Gomes Batista em seguir o magistério para tornar mais fácil o aprendizado de crianças na mesma condição. Atualmente, ela é professora da rede pública de ensino do Distrito Federal e dá aulas na Escola Bilíngue Libras e Português Escrito.
Quando estudou, a professora Adriana sofreu com a falta de material adequado e de intérprete em sala de aula. "Eu precisei me esforçar muito para avançar nos estudos. Foi muito exaustivo. Não tinha intérprete na sala de aula, eu não tinha o recurso visual. Quando criança, aprendi o português lido e isso era mais difícil. Por isso, tive o sonho de estudar para trabalhar com as crianças que tinham dificuldade", relatou Adriana em linguagem de sinais, traduzida à Agência Brasil pela coordenadora da escola.
Hoje, na sala de aula, Adriana ensina com o uso de dinâmicas de grupo, batalha naval, jogos, tudo combinado com imagens, sinais e vocabulário. A didática não é um desafio para a profissional que conhece as duas posições, a de aluna e a de professora surda.
Garantir a igualdade de condições no aprendizado entre os alunos surdos e os demais é uma meta da educadora. O recurso visual e a expressão são fundamentais no ensino. Antes, Adriana produzia material, fazia cópia de imagens e conta que era um trabalho exaustivo. Agora, na Escola Bilíngue, relata que o material é adequado. "Com a Escola Bilíngue, o conteúdo é o mesmo do estudante ouvinte. Queremos essa isonomia, essa igualdade", conta a professora, que já soma 15 anos de profissão.
Para o futuro, ela quer mais. A intenção é ter material filmado para fazer avançar o trabalho em sala. "A linguagem de sinais envolve expressões e o ideal é material filmado", explica. A educadora relata que quando ingressam na escola muitos alunos surdos ainda não entraram em contato com a linguagem de Libras. Além de ensinar os alunos, a escola tem também cursos voltados para a família, destinados a facilitar a comunicação dos estudantes em casa.
Na Escola Bilíngue onde a professora Adriana ensina, as aulas são ministradas diretamente na linguagem de sinais, com o uso frequente de datashow e em turmas formadas por surdos. O modelo é diferente do adotado nas escolas inclusivas, onde as turmas são mistas e o professor dá aula oral com a presença de um intérprete de Libras.
"Antes, existia apenas o modelo de inclusão. O aluno tinha um limite de conteúdo e ele acabava perdendo muito", avalia a professora. "O principal desafio é vencer as limitações dos alunos surdos. Queremos que eles ultrapassem as limitações que existiam no modelo de inclusão", acrescenta.
Edição: Graça Adjuto
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX

No Dia do Professor, mestres contam como é educar para a diversidade

Educação



No Dia do Professor, mestres contam como é educar para a diversidade
http://agenciabrasil.ebc.com.br/galeria/2013-10-15/no-dia-do-professor-mestres-contam-como-e-educar-para-diversidade
Oct 15th 2013, 07:28

Brasília – No quadro-negro da sala de aula da professora Elieth Portilho estão fotos de pássaros e frutas do Cerrado. As cartilhas falam de temas rurais e práticas do campo e foram elaboradas pela professora e os alunos. É com esse material que ela alfabetiza as crianças no Centro de Ensino Fundamental Pipiripau 2, localizada em um núcleo rural em BrasíliaBrasília - As dificuldades que enfrentou na escola por ser surda despertaram o interesse de Adriana Gomes Batista em seguir o magistério para tornar mais fácil o aprendizado de crianças na mesma condição. Atualmente, ela é professora da rede pública de ensino do Distrito Federal e dá aulas na Escola Bilíngue Libras e Português EscritoBrasília - As dificuldades que enfrentou na escola por ser surda despertaram o interesse de Adriana Gomes Batista em seguir o magistério para tornar mais fácil o aprendizado de crianças na mesma condição. Atualmente, ela é professora da rede pública de ensino do Distrito Federal e dá aulas na Escola Bilíngue Libras e Português EscritoBrasília - As dificuldades que enfrentou na escola por ser surda despertaram o interesse de Adriana Gomes Batista em seguir o magistério para tornar mais fácil o aprendizado de crianças na mesma condição. Atualmente, ela é professora da rede pública de ensino do Distrito Federal e dá aulas na Escola Bilíngue Libras e Português EscritoBrasília – No quadro-negro da sala de aula da professora Elieth Portilho estão fotos de pássaros e frutas do Cerrado. As cartilhas falam de temas rurais e práticas do campo e foram elaboradas pela professora e os alunos. É com esse material que ela alfabetiza as crianças no Centro de Ensino Fundamental Pipiripau 2, localizada em um núcleo rural em BrasíliaBrasília – No quadro-negro da sala de aula da professora Elieth Portilho estão fotos de pássaros e frutas do Cerrado. As cartilhas falam de temas rurais e práticas do campo e foram elaboradas pela professora e os alunos. É com esse material que ela alfabetiza as crianças no Centro de Ensino Fundamental Pipiripau 2, localizada em um núcleo rural em BrasíliaBrasília - Policiais na porta da sala de aula, portões trancados e muros altos. Esse é cenário das aulas de português do professor Alan Araújo da Silva aos adolescentes que cumprem medida socioeducativa na Unidade de Internação de Planaltina. O professor Alan é um dos 5.036 educadores que dão aulas a pessoas privadas de liberdade em todo o país, conforme determinação da Lei de Diretrizes e Bases da EducaçãoBrasília - Policiais na porta da sala de aula, portões trancados e muros altos. Esse é cenário das aulas de português do professor Alan Araújo da Silva aos adolescentes que cumprem medida socioeducativa na Unidade de Internação de Planaltina. O professor Alan é um dos 5.036 educadores que dão aulas a pessoas privadas de liberdade em todo o país, conforme determinação da Lei de Diretrizes e Bases da EducaçãoBrasília - Policiais na porta da sala de aula, portões trancados e muros altos. Esse é cenário das aulas de português do professor Alan Araújo da Silva aos adolescentes que cumprem medida socioeducativa na Unidade de Internação de Planaltina. O professor Alan é um dos 5.036 educadores que dão aulas a pessoas privadas de liberdade em todo o país, conforme determinação da Lei de Diretrizes e Bases da EducaçãoBrasília - Policiais na porta da sala de aula, portões trancados e muros altos. Esse é cenário das aulas de português do professor Alan Araújo da Silva aos adolescentes que cumprem medida socioeducativa na Unidade de Internação de Planaltina. O professor Alan é um dos 5.036 educadores que dão aulas a pessoas privadas de liberdade em todo o país, conforme determinação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX

No Maranhão, professores se dedicam a melhorar a vida de comunidades quilombolas

Educação



No Maranhão, professores se dedicam a melhorar a vida de comunidades quilombolas
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-15/no-maranhao-professores-se-dedicam-melhorar-vida-de-comunidades-quilombolas
Oct 15th 2013, 06:26

Mariana Tokarnia

Repórter da Agência Brasil
Brasília – O acesso à educação foi uma conquista das comunidades quilombolas localizadas próximo a Codó, no interior do Maranhão. Em 2010, o ensino infantil chegou à comunidade Centro do Expedito. No mesmo ano, na comunidade vizinha, Santo Antônio dos Pretos, foi construída a primeira escola de ensino médio da região, o Centro Quilombola de Alternância Ana Moreira. As escolas eram demandas antigas, de mais de 20 anos. Da luta por essas escolas, quem participou foi o professor Mário Sérgio Moreira de Queiroz.
Aos 43 anos e morador da comunidade quilombola de Bom Jesus, uma das 13 da região, Queiroz fundou e dirigiu o centro, onde os jovens fazem o ensino médio. Hoje, dá aulas no ensino fundamental em Bom Jesus. E conta como a instalação das escolas mudou a realidade da comunidade, em que muitas famílias deixavam a terra natal em busca de educação e oportunidades nas cidades vizinhas.
Queiroz nasceu e cresceu na comunidade Santa Maria do Moreira, atual Bom Jesus. Na época, não havia escola, os primeiros ensinamentos vieram da mãe. Para cursar o ensino fundamental, foi para Codó. Com o sexto ano completo, voltou para a comunidade e começou a dar aula do 1º ao 5º ano. Depois, fez o ensino médio e completou o magistério. Estudou matemática no Centro Federal de Educação Tecnológica do Maranhão, disciplina que leciona.
"A juventude que está na escola consegue ter uma visão de um mundo melhor do que seus pais e avós. Consegue acessar a tecnologia, compreender a preservação do meio ambiente, absorver conhecimento. Aprende que o homem do campo pode lutar para garantir os seus direitos, que estão inclusive na Constituição", defende o professor.
Com o Centro de Ensino Ana Moreira, os estudantes têm formação técnica sobre agropecuária. O ensino por alternância significa que os alunos passam 15 dias em sala de aula e 15 dias na comunidade. A ideia é que levem o que aprendem na escola para as comunidades.
Diferentemente de Queiroz, o professor Solon da Nóbrega não nasceu em uma comunidade quilombola, mas desde 1997 se dedica a esse trabalho. Ele é responsável pela formação técnica no Centro de Alternância Ana Moreira. Este ano, desenvolveu o projeto Coisa de Preto, levando a dança, a religiosidade e a cultura afrodescente para a sala de aula. O projeto será permanente e o objetivo é aumentar a autoestima dos alunos e resgatar a cultura que está se perdendo.
"A gente não trabalha para que como técnico o aluno saia daqui e vá trabalhar na grande fazenda, embora isso aconteça. A intenção é voltar para a comunidade e o que eles [alunos] aprendem aqui, eles possam usar lá para dar uma vida melhor às família deles", diz o professor de zootecnia rural, biocultura de leite e corte, economia rural e extensão rural e também um dos fundadores da escola.
Os professores dizem não ser fácil a tarefa de lecionar em uma comunidade quilombola, e que os problemas ainda são muitos. Na escola infantil Centro do Expedito, os banheiros estão fechados por falta de água. A comunidade terá que cavar um poço próximo à escola. Para cozinhar na cantina, é preciso levar baldes com água até o monte, onde fica o centro de ensino. Todo trajeto é feito a pé. A escola de Santo Antônio dos Pretos recebeu computadores, mas os equipamentos não saíram da caixa porque falta rede de energia suficiente para ligar os aparelhos. "Não dá para conseguir tudo de uma vez", comenta Nóbrega.
Para os professores, a satisfação maior é ver os alunos formados e colocando em prática o que aprenderam. "Hoje mesmo eu estive com um ex-aluno, Francisco Ribeiro é o nome dele. Ele fez o curso técnico em agropecuária e está produzindo, está feliz. Ele queria muito viajar, sair da comunidade, chegou a ir para Brasília, mas voltou. É um grande profissional e serve de exemplo para os demais. A gente se sente muito feliz em ver que foi protagonista e em ver o fruto desse trabalho", diz Queiroz.
Edição: Carolina Pimentel
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX

Professora diz que observa “festas e cantorias” para ensinar indígenas

Educação



Professora diz que observa "festas e cantorias" para ensinar indígenas
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-15/professora-diz-que-observa-%E2%80%9Cfestas-e-cantorias%E2%80%9D-para-ensinar-indigenas
Oct 15th 2013, 06:38

Mariana Tokarnia

Repórter da Agência Brasil
Brasília – O sol nasce e Herminia Wôôpar Krahô já está de pé. Ela passa o café, toma banho e às 7h cruza o centro da aldeia até a escola. Às 7h30, o sino chama os estudantes, de 4 a 10 anos. Logo, as carteiras ficam cheias de kraré, como são chamadas as crianças pelos indígenas da etnia Krahô na Serra Grande, uma das 27 aldeias que formam a Kraolândia, no nordeste do Tocantins.
Única professora indígena, dos quatro que ensinam na região, Wôôpar estudou em Paraíso do Tocantins (TO), a 63 quilômetros da capital Palmas. Começou a lecionar em maio de 2010 quando o antigo professor, também indígena, deixou a escola.
"Ele não tava cuidando bem", diz a professora, que ainda não concluiu o curso superior. O conteúdo é todo na linguagem dos mehin - como chamam a si mesmos. É com Wôôpar que os pequenos aprendem a ler e escrever. "Tudo na língua [krahô], eu não ensino o português", explica.
A aula dura cerca de uma hora e os alunos são dispensados. Alguns não aguentam até o fim, saem para brincar. Outros esperam o lanche, servido na escola, quando tem merenda. À tarde, os alunos cuidam da tarefa. "Pra mim, [dar aula] é muito importante. Devagar eu vou aprendendo mais", diz a professora.
Ela se orgulha de ver que alguns alunos já estão conseguindo ler e escrever. Dentro de casa, incentiva o filho Gabriel Ihôjawên Krahô, de 12 anos. "Estudar é importante", reforça.
A escola de Serra Grande tem duas salas de aula que atendem às 17 famílias que moram no local. Os pais costumam assistir uma ou outra aula dos filhos, para acompanhar o aprendizado. No turno oposto, a escola oferece educação para os adultos. Wôôpar era uma dessas alunas, mas resolveu se dedicar ao preparo das próprias aulas. Ela busca capacitação nos materiais didáticos distribuídos e em conversas com os outros professores.
A formação inicial e continuada de professores indígenas em nível superior, a produção de material didático específico em línguas indígenas, bilíngues ou em português cabe ao Ministério da Educação, que também oferece apoio político-pedagógico e financeiro às escolas indígenas.
Em Serra Grande, o autor do material usado em sala de aula é o indígena Renato Yahé Krahô. O livro é usado pela professora Luana Barbosa Pimentel, que mora em Alto Lindo (TO), cidade próxima à terra indígena.
Ela dá aula do 1° ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio, os alunos se misturam e tem entre 7 e 20 anos. Ensina história, geografia, português. E, mais recentemente, cultura, saúde e educação indígena.
Para essas disciplinas, além do material didático, muito do que leva para a sala de aula aprende também na própria aldeia. "Eu observo as festas, as cantorias", conta.
Luana passa a semana na aldeia, dormindo na escola. No fim de semana, sai e enfrenta mais de quatro horas de estrada de chão para ver o namorado. "É um pouco difícil para ele, mas tem que aceitar".
Para ela, trabalhar com os indígenas é um sonho de criança. "Eles precisam de alguém que venha de fora da aldeia, que ajude com a língua e com outras relações que são diferentes na cidade e que eles não entendem".
Em Serra Grande, pelo menos uma vez por mês os indígenas vão às cidades próximas, como Itacajá (TO) ou Goiatins (TO), para fazer compras com o benefício do Bolsa Família. Alguns têm também um emprego na cidade. A relação com os kupen (os não indígenas) está presente no cotidiano. O português e a matemática são necessários.
Luana diz que muitos querem continuar na aldeia, mas há também a vontade de seguir estudando, fazer uma faculdade. "Tem indígenas que estão fazendo faculdade em Itacajá. Muitos fazem magistério", relata a professora, que começou a dar aula em 2010 e concluiu o curso superior este ano, aos 25 anos.
A experiência é positiva também para Vitor Aratanha, professor desde 2012 em outra aldeia krahô, Pedra Branca. Vitor trabalha com a etnia há cinco anos. Antes de ser professor, era funcionário da Fundação Nacional do Índio (Funai).
"A educação é um caminho mais profundo para se conseguir outra formação e poder ajudar um pouco na história deles. Os caminhos a que a educação te leva são mais profundos nas aldeias, tenho mais contato com os jovens", diz.
A escola de Pedra Branca atende a 200 alunos, pouco mais de 100 têm aula com Aratanha. Segundo ele, um dos desafios é trabalhar pensando na perspectiva do próprio indígena. "Há muitos jovens desconectados dos saberes tradicionais. O esforço é trazer isso para dentro da escola. E trazer também para os velhos".
Outro desafio é adaptar o formato de ensino, ainda voltado para os centros urbanos, para a educação indígena. Ele defende mais capacitação e produção de material específico. "Para trabalhar com outras culturas é preciso ter outras perspectivas", disse.
Edição: Carolina Pimentel
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX

No Dia do Professor, mestres contam como é educar para a diversidade

Educação



No Dia do Professor, mestres contam como é educar para a diversidade
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-15/no-dia-do-professor-mestres-contam-como-e-educar-para-diversidade
Oct 15th 2013, 06:18

Mariana Tokarnia

Repórter da Agência Brasil
Brasília – Em 2012, o Brasil tinha 2,3 milhões de professores. Entre eles, 415 mil (20%) se dedicam à educação para a diversidade, como para indígenas, quilombolas, pessoas com deficiência (educação especial) e privadas de liberdade. O número desses profissionais cresceu 1,5% de 2011 para 2012, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).
Nas salas de aula, esses professores devem garantir o resgate da cultura dos povos, o ensino de direitos e das políticas públicas, conforme a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
Cada situação impõe desafios aos docentes. Por exemplo, de acordo com a resolução do Conselho Nacional de Educação, 11,8% das pessoas que estão presas ou em centros de reabilitação são analfabetas e 66% não chegaram a concluir o ensino fundamental. "O tempo que passam na prisão (mais da metade cumpre penas superiores a nove anos) seria uma boa oportunidade para se dedicar à educação", diz o texto.
Para os alunos da educação especial, as aulas devem visar técnicas e recursos específicos para garantir a inclusão.
No Dia do Professor, a Agência Brasil apresenta reportagens com alguns desses profissionais que contaram suas experiências, sua carreira, como é o dia a dia e os obstáculos enfrentados, como falta de água na escola. Eles acreditam que pela sala de aula é possível mudar a realidade do país.
Edição: Carolina Pimentel
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/95K/xZcYkX


Explore o MAXX

Notícias
Nacional

Internacional
Finanças
Política
Justiça
Segundo Caderno
Esportes


Educação
Inovação

Serviços
Barra de Ferramentas

Buscador
Previsão do Tempo
Tradutor
Viagens

Entretenimento
Cultura

Famosos
MAXX FM
Música
Sobre Rodas
Stations (Busca Rádios)

Estilo de vida
Homem

Mulher

Chat
Amizade

Encontros
Livre
Paquera
Sexo (+ 18 anos)
Webmasters
Outras salas

Fale conosco
Atendimento Virtual
Avalie-nos
E-mail

Fone Fácil
Fórum
Reclame Aqui
Redes Sociais

Copyright 2008 - 2017 © Ouni - Todos os direitos reservados.
"O uso desse website significa que você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade, em especial no que tange ao uso de cookies."

Informações Importantes | Política de Privacidade | Termos de Uso

Vá para o Ouni